Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Expedição Bolívia (Parte 2)

Após o almoço na Casa del Camba, fomos conhecer a Praça 24 de Setembro, Praça Central de Santa Cruz e berço cultural da cidade. Dando um rápido giro pela praça encontramos a Basílica de San Lorenzo, que tem uma arquitetura única e muito bem conservada, como também o palácio do governo, a embaixada argentina, casa de cultura, teatro – Cine Palace, Museu da independência e muito comércio.

 

Basílica de San Lorenzo - Sta Cruz de la Sierra - Bolívia

Basílica de San Lorenzo – Sta Cruz de la Sierra – Bolívia

 

Santa Cruz - Bolívia

Praça 24 de Setembro – Santa Cruz – Bolívia

 

Santa Cruz - Bolívia

Praça 24 de Setembro – Santa Cruz – Bolívia

 

 

Santa Cruz - Bolívia

Santa Cruz – Bolívia

 

Entrando em uma Rua próxima descobrimos um Vilarejo de Artesanatos, muito bem estruturado com muitas opções de lembranças da Bolívia. Hora das compras…

 

Santa Cruz de La Sierra - Bolívia

Santa Cruz de La Sierra – Bolívia

 

Compras feitas é hora de conhecer a praça na lateral da Basílica, que tem algumas esculturas, muitas pessoas e curiosamente um porco de metal vazado, onde casais prendem cadeados com os respectivos nomes para selar o relacionamento. Muito curioso, mas o meu pensamento foi de imediato “Relacionamento na lama?” ou “Relacionamento na Merda?” HAHAHAHAHA. Gosto não se discute, não é?

 

Meu sobrinho Santiago e Eu!

Meu sobrinho Santiago e Eu!

 

Voltando ao raciocínio… Foco, Foco… Foco…. Rs.

Passando pelo porco de ferro, nos deparamos com a estátua de uma mulher com microfone em uma das mãos e gesticulando com a outra, como se estivesse cantando. É uma grande cantora Boliviana chamada Gladys Moreno (1933 – 2005) “Cambas y collas uní con mi voz” dizia a placa gravada logo abaixo da estátua.

 

THI_1383

Escultura – Gladys Moreno

 

Na praça 24 de Setembro, também encontramos o senhor Jaime um vendedor de café com uma elegância bem uniformizado que pedimos para tirar foto com ele.

 

DSCN0238

“Seu” Jaiminho

 

Após conhecer a parte histórica da cidade, fomos conhecer a noite Boliviana, passamos pelo Ventura Mall, um shopping center com muitas grifes e preço bem salgados, em seguida visitamos a rua ao lado do shopping, repleta de bares e restaurantes até chegarmos no Hard Rock Café, parada obrigatória para quem curte o bom e velho rock and roll e estiver em Santa Cruz. Outro local que não se pode deixar de visitar é o Pollos Copacabana, o melhor frango da Bolívia.

Hard Rock Café - Santa Cruz - Bolívia

Hard Rock Café – Santa Cruz – Bolívia

 

DSCN0686

Meu primo Diego tomando só um sorvetinho! HAHAHA

 

DSCN0687

Hard Rock Café – Santa Cruz – Bolívia

 

Pollos Copacabana

Pollos Copacabana

 

Na manhã seguinte, acordamos cedo e pegamos a estrada para a Cidade de Samaipata, pequena cidade que fica há cerca de 120km de Santa Cruz de la Sierra, aproximadamente 3 horas de viagem.

A cidadezinha possui grande quantidade de heranças deixadas por civilizações pré-colombianas (Maias) que habitavam o local em meados do século VIII; é uma pitada de cultura e história que deve ser incluída no seu roteiro.

Samaipata possui um clima bem mais ameno que Santa Cruz de la Sierra, com a temperatura por volta dos 23ºC. Embora o clima seja agradável, recomendamos que leve o protetor solar e boné. Mas o grande desafio de Samaipata é a altitude, pois está localizada a uma altitude de 1700m acima do nível do mar e rodeada por belas montanhas que ultrapassam 2 mil metros. Por conta dessas montanhas é conhecida também como a Suíça Boliviana.

É um passeio que pode ser feito em um bate e volta de um dia, mas pra quem pretende passar mais tempo na cidade no pequeno centro existem algumas opções de restaurantes e pousadas.

Há diversas opções de transporte para chegar à cidade, desde linhas regulares de ônibus, empresas especializadas e carros particulares. A melhor e mais econômica opção são os carros e vans particulares que partem da Av. Omar Chávez e cobram 30 bolivianos por pessoa, mas essa tarifa pode variar, pois levam em consideração a quantidade de passageiros no carro. Vale dizer que é sempre bom pechinchar, pois praticamente tudo na Bolívia é negociável.

Ao chegar a Samaipata, o carro nos deixou no centro da cidade e decidimos comer em um restaurante local antes de continuar a viagem até o Forte de Samaipata. A comida era boa e barata, apesar da aparência duvidosa do restaurante fomos muito bem atendidos por um garçom descalço, que parecia o “Sherek” e servia seus clientes com bastante cordialidade.

"Sherek"

“Sherek”

 

Após o almoço contratamos um taxista para nos levar ao sítio arqueológico onde fica o Forte de Samaipata (El Fuerte de Samaipata), sem dúvida a maior atração turística do local. Localizado a cerca de 8km do centro de Samaipata, o forte é a uma das mais importantes construções monolíticas do planeta, local de antigos rituais indígenas, declarado Patrimônio Cultura da Humanidade pela UNESCO, em 1998. Fica a dica para tomar cuidado ao negociar com os taxistas bolivianos e somente pagar a corrida no final. O táxi leva os visitantes até a entrada do Sítio Arqueológico e os aguarda para o trajeto de volta até o centro da cidade.

Entrada do Sítio Arqueológico - Samaipata

Entrada do Sítio Arqueológico – Samaipata

 

Patrimônio da Humanidade - Fuerte del Samaipata

Patrimônio da Humanidade – Fuerte del Samaipata

O ingresso para conhecer o forte custa 50 bolivianos (cerca de R$28) e dá direto à entrada no Sítio Arqueológico e ao museu. É possível contratar um guia durante o passeio por mais 100 bolivianos, que explica sobre as antigas civilizações que habitaram aquele lugar e como construíram a cidade de acordo com os pontos cardeais e com as estações do ano. Os astros eram referências para tudo, desde o plantio, colheita, construções e até viagens.

THI_1185

DSCN0406DSCN0417

Stitched Panorama

Fuerte del Samaipata – Bolívia

 

 

No final da tarde, cansados porém deslumbrados com as paisagens e o céu com uma tonalidade de azul que nunca havia visto, retornamos a Santa Cruz.

Hora do Jantar!!! \o/

Estava marcado um jantar com umas primas, tias e primos no “Don Miguel” um tradicional restaurante que serve parillas e o suculento bife de chorizo, que também recomendamos. Comemos, bebemos, e nos divertimos junto de pessoas muito queridas.

Jantar com as tias, primas e primos... "Don Miguel"

Jantar com as tias, primas e primos… “Don Miguel”

E após o jantar, na volta para casa, mais uma aventura… Chovia muito na hora que saímos do restaurante, pedimos um taxi, embarcamos

E Ai Pahh
Chovia mais dentro do taxi do que fora… HAHAHAHAHA, Resumo chegamos molhados em casa…

Banho, Cama e partiu naninha…

 

Continua….

About the Author:


Leave a Comment!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Language »